quinta-feira, 13 de setembro de 2012

À pulcrínea airosa


Bela, teus doces lábios macios encarnados
Marcam meus pensamentos num divino instante
Diz o bravo poeta teu eterno amante
- Desejo um lindo beijo louco apaixonado.

Beijos adocicados de leves pecados
Abrasados e tão fortemente vibrantes
Que unem as bocas úmidas e soluçantes
No ritmo desses corpos bem entrelaçados.

Vestindo-se de amor tudo que se revele,
Vai, vai desabrochando a flor, a flor da pele
E vamos simplesmente amar, sem acorrento.

Atingindo o triunfo duplo e soberano
Provocando este agora longo, sobre-humano
Iremos perpetuar o nosso avivamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário